FacebookTwitteryoutubeSlideshareAPP
Get flash player to play to this file
FACEBOOK
NEWSLETTER

Remover e-mail da newsleter:

DESTAQUES

Sede da APFF - Porto da Figueira da Foz

Sobrevoando o Porto da Figueira da Foz #3

Sobrevoando o Porto da Figueira da Foz #2

Porto da Figueira da Foz em movimento #1

Porto da Figueira da Foz em movimento #2

Porto da Figueira da Foz #Crepúsculo [VÍDEO-FOTO]

Inauguração do Prolongamento do Molhe Norte do Porto da Figueira da Foz (5)

Regata dos Portos do Centro 2011 - Figueira da Foz (2)

Assinatura do contrato de concessão dos Estaleiros Navais do Mondego - José Luís Cacho

Dia Mundial do Mar na Figueira da Foz - 2010 (6)


METEO
Tempo Figueira da Foz
TWITTER
LINKS




FOTOS

 Lugre Sta. Maria Manuela na Figueira da Foz

Lugre Sta. Maria Manuela na Figueira da Foz
SLIDESHOW



MAU TEMPO
Prejuízos superiores a cinco milhões de euros na área portuária da Figueira da Foz

A passagem da tempestade Leslie pela área portuária da Figueira da Foz provocou prejuízos superiores a cinco milhões de euros, de acordo com um levantamento preliminar dos danos concluído dia 16, revela Luís Leal, do Conselho de Administração do porto (APFF).

Em declarações à agência Lusa, Luís Leal estimou os prejuízos entre os cinco e os seis milhões de euros, quer em infraestruturas públicas adstritas à atividade portuária, quer em empresas e associações instaladas na área de domínio público marítimo.

De acordo com Luís Leal, os danos nas áreas públicas do cais comercial e porto de pesca, nomeadamente em infraestruturas de iluminação - "que foi toda danificada" -, vedações, passadiços da marina de recreio, edifícios-sede da APFF e dos Pilotos da Barra ou os "telhados e portões" dos armazéns de artes ligadas à atividade piscatória, entre outros, ascendem a 570 mil euros.

A empresa concessionária da operação portuária estima os prejuízos em cerca de 1,3 milhões de euros - incluindo nestes danos duas gruas que operam em carril e que ficaram totalmente destruídas - enquanto o concessionário do terminal de contentores apurou danos de um milhão de euros, disse Luís Leal.

De acordo com o levantamento preliminar - que não inclui ainda os prejuízos sofridos nas instalações da Docapesca (lota e armazéns de pescado), terminal de asfalto instalado na margem direita do rio Mondego, a montante da ponte e empresas de aquacultura -, os estaleiros navais tiveram prejuízos estimados superiores a 800 mil euros, um valor idêntico ao das duas empresas conserveiras que laboram junto ao porto de pesca, na margem sul do Mondego.

Já a cooperativa de produtores de peixe Centro Litoral, também instalada no porto de pesca, terá sofrido prejuízos de 500 mil euros e o parque de campismo do Cabedelo - onde quatro ou cinco campistas ficaram feridos aquando da passagem do furacão Leslie - indicou danos de 200 mil euros, sem incluir neste valor as cerca de 80 rulotes que ficaram destruídas ou danificadas e que são propriedade dos seus utilizadores.

Já os inquilinos da zona da marina, onde se inclui um pavilhão de remo e as instalações do clube náutico, reportaram prejuízos de cerca de 100 mil euros e o Tennis Club da Figueira da Foz, localizado perto da foz do rio, cerca de 120 mil euros.

"Grosso modo serão entre cinco a seis milhões de euros de prejuízos, garantidamente mais de cinco milhões", afirmou Luís Leal.

O administrador portuário garantiu que o porto comercial "está a funcionar", embora "com restrições", não só reflexo dos danos sofridos pelos operadores, mas em especial "devido à greve" dos estivadores que se mantém às terças e quintas-feiras.

"Um mal nunca vem só, é um velho ditado. Hoje é um dos dias exemplares, porque independentemente disto tudo mantém-se a greve", lamentou Luís Leal.

A passagem do furacão Leslie por Portugal, no sábado e domingo, onde chegou como tempestade tropical, provocou 28 feridos ligeiros e 61 desalojados.

O distrito mais afetado pelo Leslie foi o de Coimbra, onde a tempestade, com um "percurso muito errático", se fez sentir com maior intensidade, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Na Figueira da Foz, uma rajada de vento atingiu os cerca de 176 quilómetros por hora no sábado à noite, valor mais elevado registado em Portugal, de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

fonte




Data: 2018-10-17

feed
mapa
Publicidade