FacebookTwitteryoutubeSlideshareAPP
Get flash player to play to this file
FACEBOOK
NEWSLETTER

Remover e-mail da newsleter:

DESTAQUES

Sede da APFF - Porto da Figueira da Foz

Sobrevoando o Porto da Figueira da Foz #3

Sobrevoando o Porto da Figueira da Foz #2

Porto da Figueira da Foz em movimento #1

Porto da Figueira da Foz em movimento #2

Porto da Figueira da Foz #Crepúsculo [VÍDEO-FOTO]

Inauguração do Prolongamento do Molhe Norte do Porto da Figueira da Foz (5)

Regata dos Portos do Centro 2011 - Figueira da Foz (2)

Assinatura do contrato de concessão dos Estaleiros Navais do Mondego - José Luís Cacho

Dia Mundial do Mar na Figueira da Foz - 2010 (6)


METEO
Tempo Figueira da Foz
TWITTER
LINKS




FOTOS

 Forte e Edifício-Sede da APFF

Forte e Edifício-Sede da APFF
SLIDESHOW



Núcleo Museológico do Sal da Figueira da Foz

O Núcleo Museológico do Sal da Figueira da Foz fica em Armazéns de Lavos, inserido na Salina Municipal do Corredor da Cobra, adquirida, em 2000, pela Câmara Municipal da Figueira da Foz, que a retirou do abandono. Aos visitantes é dada a oportunidade de conhecer o centro interpretativo e a salina, mas não só.

Também podem ver um armazém de sal e fazer uma rota pedestre com informação temática - a "Rota das Salinas" -, ao longo da qual é possível observar aves como o pernilongo, o pato-real, a andorinha-do-mar-anã ou o borrelho-de-coleira-interrompida, bem como uma rota fluvial a bordo do "Sal do Mondego", um batel com capacidade para transportar cerca de dez toneladas de sal. Assim o permitam as marés.

Mas voltemos ao sal. No Núcleo Museológico, uma extensão do Museu Municipal Santos Rocha, fica-se a saber em que consiste o sal, como se obtém, que localidades, no país, o produziam, como evoluiu o Salgado da Figueira da Foz, conhece-se a biodiversidade das salinas (ou marinhas), quem nelas trabalha e as ferramentas usadas.

Sónia Pinto, arqueóloga responsável pelo Núcleo, que foi inaugurado em 2007, sublinha que "o sal não é todo igual", explicando que o artesanal tem menor teor de cloreto de sódio que o industrial e mantém "elementos essenciais", como o magnésio ou o potássio; é "melhor para a saúde" e "apura mais a comida". Por isso, aconselha a atentar no rótulo, na hora da compra.

A melhor altura para visitar este "jardim de sal", com o seu "jardineiro, que é o marnoto", segundo Sónia Pinto, é a partir de Junho, pois esta é "uma altura mais baixa", em que o marnoto "ensaca e vende". Clarificando: "É uma actividade muito sazonal, sujeita às condições climatéricas. Entre Julho e início de Setembro, tem de se produzir o máximo".

"Este é um núcleo museológico bastante acarinhado", diz o vereador da Cultura da Câmara Municipal da Figueira da Foz, António Tavares, frisando que "mantém a produção de sal nos moldes tradicionais" - "sal de boa qualidade, rico em vários minerais" - e cumpre uma função "pedagógico-didáctica".

Informações úteis

Horário de funcionamento: De 1 de Junho a 30 de Setembro, de quarta-feira a domingo e nos feriados, entre as 10.30 e as 12.30 horas, e entre as 14.30 e as 18.45. De 1 de Outubro a 31 de Maio, à quarta-feira, sábado, domingo e feriados, entre as 10 e as 12.30 horas e entre as 14 e as 16. Contactos: 233 402 840 (Museu Municipal Santos Rocha).

FONTE: JORNAL DE NOTÍCIAS




Data: 2012-10-28

feed
mapa
Publicidade